Cinco anos depois do início dos ataques terroristas, o que dizem as Forças de Defesa e Segurança?

Cinco anos depois do início dos ataques terroristas, o que dizem as forças de defesa e segurança?
Tv Miramar

Bernardino Rafael diz que a combinação de forças permitiu retirar o grupo armado em pontos considerados estratégicos que eram ocupados pelos terroristas

Comandante-geral da Polícia, Bernardino Rafael, considera que o terrorismo está fragilizado e fragmentado, mas reconhece haver ainda um longo caminho por percorrer na eliminação dos ataques terroristas que assolam o norte de Moçambique. Bernardino Rafael falava recentemente a jornalistas em Pemba, onde analisou os cinco anos do conflito armado que já provocou a morte de cerca de quatro mil pessoas e a fuga de mais de um milhão de habitantes.

O mês de outubro de 2022 assinala exatos cinco anos desde que as primeiras incursões terroristas registaram-se no norte de Moçambique, com particular enfoque para o distrito de Mocimboa da Praia, província de Cabo Delgado. Era início de um conflito cujo modi operandi são decapitações, destruições massivas de aldeias e consequente escorraçamento das populações das suas zonas de origem pelos terroristas. 

As Forças de Defesa e Segurança entraram em cena na perseguição dos atacantes, desalojamento dos seus esconderijos, mas passados cinco anos do terrorismo, Bernardino Rafael admite que o fenômeno continua complexo.

Fazendo uma cronologia dos acontecimentos, Bernardino Rafael diz que, no início as Forças de Defesa e Segurança tiveram enormes dificuldades no combate ao grupo, porque não sabiam quem era o inimigo que atacava as populações.

Descobertos o modus operandi dos terroristas, o dirigente da PRM diz que as autoridades de segurança iniciaram com operações de grande magnitude visando desalojar os atacantes que já se haviam posicionado em sítios de difícil acesso. Em 2021 o combate ao terrorismo conheceu um novo impulso, com entrada de parceiros militares do Ruanda e a missão dos países da África Austral.

Segundo Bernardino Rafael, essa combinação de forças permitiu retirar o grupo armado em pontos considerados estratégicos que eram ocupados pelos terroristas.